Mostra Sesc de Cinema / Abertura da Etapa Nacional

30/11 A 21/12

CENTRO CULTURAL SESC GLÓRIA

Com o objetivo de promover a difusão da produção cinematográfica brasileira que não chega ao circuito comercial de exibição, a Mostra Sesc de Cinema pretende contribuir para o campo audiovisual sendo um espaço de lançamento e promoção de artistas de todo o país. Na ocasião, com muita satisfação exibiremos 8 longas e 26 curtas metragens oriundos das 5 regiões brasileiras, indicados por curadorias locais e premiados em seus respectivos estados pela Mostra. Traremos a público parte da imensa diversidade da produção nacional que não chega ao circuito comercial de cinema e que possui indiscutível qualidade técnica, narrativa, estética, além de uma pungente diversidade temática.


LONGAS

LIMPAM COM FOGO, de César Vieira, Conrado Ferrato e Rafael Crespo DOCUMENTÁRIO, 2016, SÃO PAULO – SP, 85 MIN, 14 ANOS
30/11 e 13/12, às 19h20
O documentário joga luz sobre o problema dos incêndios de favelas em São Paulo e suas relações com a especulação imobiliária. Entre as soluções e complicações apontadas por pesquisadores e políticos, estão as histórias das vítimas que mostram como a cidade pode ser cruel com seus moradores menos privilegiados.

 

TROPYKAOS, de Daniel Lisboa
FICÇÃO, 2015, SALVADOR – BA, 82MIN, 18 ANOS
01, 09 e 19/12, às 19h20
Tropykaos é realismo caótico. Guima, um jovem poeta, tenta interagir com a cidade, fazer parte dela, mas parece não ter corpo para isso. O Sol é a metáfora maior de um sistema violento que adormece e agride a todos. Guima sente os malefícios da exposição à “ultraviolência solar” e no que pode ser o último dos carnavais, ele enfrenta a cidade e a si mesmo buscando a iluminação no trópico caótico.

CATADORES DE HISTÓRIAS, de Tania Quaresma
DOCUMENTÁRIO, 2016, BRASÍLIA – DF, 76MIN, LIVRE
02, 08 e 17/12, às 19h20
O cotidiano de catadoras e catadores de materiais recicláveis que se sustentam através do que a sociedade chama de “lixo”. A partir do Lixão Estrutural em Brasília, maior lixão a céu aberto da América latina, o documentário desvenda a multifacetada realidade dessa(e)s profissionais que, apesar de condições subumanas de trabalho, conseguem dar exemplo de união, dignida- de, solidariedade e cidadania.

A DAMA DO RASQUEADO, de Marinete Pinheiro DOCUMENTÁRIO, 2017, CAMPO GRANDE – MS, 75MIN, LIVRE

03, 07 e 16/12, às 19h20

Precursora do rasqueado, Delinha é considerada A Grande Dama de Mato Grosso do Sul. Com 80 anos de idade, sendo mais de 50 dedicados à música, ela continua cantando e encantando nos bailes repletos de fãs. O filme A Dama do Rasqueado mostra rastros da trajetória da cantora ao lado de Délio, os caminhos e inspirações para a dupla gravar mais de 20 discos, todos com composições próprias, produzindo a maior discografia artística do Estado. Com participações especiais de artistas que recriam canções e revelam o talento e a poesia de Délio e Delinha o longa é um mergulho nas raízes do rasqueado e na própria história da música de Mato Grosso do Sul.

CENTRAL, de Tatiana Sager
DOCUMENTÁRIO, 2016, PORTO ALEGRE – RS, 87 MIN, 12 ANOS
05 e 15/12, às 19h20
Notícia constante na mídia nacional e internacional, o Presídio Central de Porto Alegre é anali- sado por representantes do Poder Judiciário e pesquisadores, além de policiais militares, fami- liares e, principalmente, os presos. Imagens mostram o interior das galerias, onde os guardas não entram, e os próprios presidiários, organizados em facções, detêm o comando.

 

CORES E FLORES PARA TITA, de Susan Kalik
DOCUMENTÁRIO, 2016, SALVADOR – BA, 92 MIN, 12 ANOS
06 e 14/12, às 19h20
O filme aborda a transgeneridade a partir de uma exposição que Andréa Magnonirealizou, em maio de 2016, em homenagem ao seu tio Renato “Tita”, homem trans que foi morto em 1973. A partir de depoimentos de pessoas trans que participaram da exposição, o do- cumentário constrói um diálogo entre o desprezo enfrentado por Tita há mais de 40 anos e a luta contra a transfobia nos dias atuais.

MATÉRIA DE COMPOSIÇÃO, de Pedro Aspahan
DOCUMENTÁRIO, 2013, BELO HORIZONTE – MG, 82 MIN, LIVRE
10 e 20/12, às 19h20
O processo de criação da composição musical contemporânea na relação com o cinema. Foi entregue um mesmo vídeo-ensaio a três compositores, Guilherme Antônio Ferreira, Teodomiro Goulart e Oiliam Lanna, para que criassem uma peça musical que dialogasse com o vídeo. Dois anos depois, após acompanhar todo o processo de composição e ensaios, gravação e mixagem das músicas, chegamos a este filme.

EM 97 ERA ASSIM, de Zeca Brito
FICÇÃO, 2016, PORTO ALEGRE – RS, 90 MIN, 14 ANOS
12 e 21/12, às 19h20
Em 1997, quatro adolescentes iniciam um ciclo de descobertas. Seguindo o ponto de vista
de Renato, somos levados para esse universo. Junto de seus amigos, ele se depara com as primeiras dúvidas e anseios da juventude, e a principal delas é perder a virgindade. Nessa busca, vão descobrir algo que não se ensina nos livros do colégio nem nas revistas masculinas: o valor da verdadeira amizade.

PROGRAMA DE CURTAS 1

Em cartaz nos dias: 07, 13 e 19/12, às 17h30
DURAÇÃO TOTAL: 68 min – Não recomendado para menores de 16 anos.

O CACTO, de Arnaldo Barreto. FICÇÃO, 2016, MANAUS, AM, 17 MIN
Planta com aparência rude. Demanda menos atenção e cuidado que outros tipos de plantas. Adaptam-se muito bem a ambientes internos. Seus espinhos tem a função de protegê-lo contra possíveis predadores. Não parece, mas se trata de uma planta bastante sensível. | Melhor Direção de Arte e Direção de atores na Fase Estadual.

 

ENZO, de Daniel Duarte. FICÇÃO, 2016, ANÁPOLIS, GOIÁS, 16 MIN
Enzo tem problemas após a morte de sua mãe. Seu irmão mais velho tem que segurar a barra enquanto o garoto luta para saber o que é ou não real. | Destaque como Montagem.

 

 

O ESTACIONAMENTO, de William Biagioli. FICÇÃO, 2016, CURITIBA, PR, 17 MIN Jean é um imigrante haitiano que vem para o Brasil. Para sobreviver, ele arruma empre- go em um estacionamento de carros e passa a viver lá. Jean descobrirá que essa rotina pode ser enlouquecedora. | Melhor Montagem na Fase Estadual.

 

 

ILHA, de Ismael Moura. FICÇÃO, 2014, CUITÉ, PARAÍBA, 15 MIN
Pai e filho vivem presos em suas próprias correntes, transformando seus mundos em uma ilha interior. | Destaque como Fotografia, Direção de Elenco e Direção de Ficção.

 

 

RUBY, de Luciano Scherer, Guilherme Soster e Jorge Loureiro. FICÇÃO, 2015, PORTO ALEGRE, RS, 18 MIN
Ruby é um artista “outsider” que vive sozinho em uma casa próxima à praia. Melhor Direção de Arte na Fase Estadual.

PROGRAMA DE CURTAS 2

Em cartaz nos dias: 08, 14, e 20/12, às 17h30
DURAÇÃO TOTAL: 74 min – Não recomendado para menores de 14 anos

FILHOS DA LUA NA TERRA DO SOL, de Danielle Bertolini
DOCUMENTÁRIO, 2016, CUIABÁ – MT, 16 MIN
O filme trata de forma poética a relação entre pessoas albinas e o sol de Cuiabá, considerada uma das cidades mais quentes do Brasil.

 

 

O ÚLTIMO RETRATO, de Arthur Tuoto. FICÇÃO, 2016, CURITIBA – PR, 16 MIN Amanda precisa lidar com a ausência de Pedro.

 

 

 

HOTEL CIDADE ALTA, de Vitor Graize. FICÇÃO, 2016, VITÓRIA – ES, 26 MIN
Três homens se encontram em um antigo hotel abandonado. Nesse edifício, eles buscam construir uma nova história. Suas vozes se misturam ao ruído das ruas.

 

 

CARNAVALHA, de Áurea Maranhão e Ramusyo. FICÇÃO, 2016, SÃO LUÍS – MA, 16 MIN Uma jovem é perseguida por um estrangulador em um dia de carnaval.

 

PROGRAMA DE CURTAS 3

Em cartaz nos dias: 09, 15 e 21/12, às 17h30
DURAÇÃO TOTAL: 78 min – Não recomendado para menores de 14 anos

O CHÁ DO GENERAL, de Bob Yang. FICÇÃO, 2016, SÃO PAULO – SP, 22 MIN

Huang, um general aposentado chinês, mora sozinho no centro da cidade. Tradicional e conservador, quase não sai de casa. Um dia, recebe a inesperada visita de seu neto. Melhor Direção, Direção de Atores e Direção de Fotografia na Fase Estadual.

 

ROSINHA, de Gui Campos. FICÇÃO, 2016, BRASÍLIA – DF, 16 MIN
No alvorecer da existência, uma rosa desabrocha ao receber as carícias dos últimos raios do sol. Um filme sobre amor e sexualidade na terceira idade. | Melhor Direção na Fase Estadual.

 

 

AINDA NÃO LHE FIZ UMA CANÇÃO DE AMOR, de Henrique Arruda
FICÇÃO, 2015, NATAL – RN, 16 MIN
Greg e Alessandro estão no quarto, se olhando. A culpa e nostalgia daquele momento até pode marcar para sempre a vida dos dois, mas é apenas uma passagem para permitir que o amor caminhe livremente entre eles. | Melhor Montagem na Fase Estadual.

 

ESTADO ITINERANTE, de Ana Carolina Soares
FICÇÃO, 2016, BELO HORIZONTE – MG, 25 MIN

Vivi quer escapar de uma relação opressora. Em período de experiência como cobradora de ônibus, ela trabalha desejando não voltar para casa. A semana passa rápido, entre as paradas no ponto final e o itinerário. Os encontros com outras cobradoras fortalecem a mulher trabalhadora e seu desejo de fuga.

PROGRAMA DE CURTAS 4

Em cartaz nos dias: 10 e 16/12, às 17h30
DURAÇÃO TOTAL: 73 min – Não recomendado para menores de 14 anos

ORQUESTRA INVISÍVEL LET’S DANCE, de Alice Riff. DOCUMENTÁRIO, 2016, SÃO PAULO, 20 MIN.

A história de Seu Osvaldo, o primeiro DJ do Brasil.

 

 

A BATALHA DE SÃO BRÁZ, de Adrianna Oliveira.
DOCUMENTÁRIO, 2016, BELÉM – PA, 26 MIN
Mercado de São Bráz, Belém, Pará, Norte do Brasil. Durante o dia, o espaço é uma feira em um prédio histórico abandonado, construído em uma época de grande riqueza na cidade. Mas nos sábados à noite, o lugar se transforma no palco da Batalha de MC’s.
Melhor Roteiro e Direção na Fase Estadual.

 

HOMENS E CARANGUEJOS, de Paulo de Andrade. FICÇÃO, 2016, RECIFE – PE, 25 MIN Josué está apenas começando a abrir os olhos para o espetáculo multiforme da vida e o que ele encontra é um mar de miséria. Ao seu redor, uma paisagem peculiar formada por lama, caranguejos e seres anfíbios, habitantes da terra e da água, meio homens e meio bichos. Melhor Direção na Fase Estadual.

 

PROGRAMA DE CURTAS 5

Em cartaz nos dias: 12 e 17/12, às 17h30
DURAÇÃO TOTAL: 73 min – Não recomendado para menores de 14 anos

 

LEVINO, de David Alves e Gui Campos.
DOCUMENTÁRIO, 2016, BRASÍLIA, DF, 22 MIN Levino de Alcântara regeu e ensinou música por mais de 70 anos. Aos 91 anos de idade, ele revisita suas histórias e revela seus sonhos para o futuro. | Melhor Montagem na Fase Estadual.

 

 

PEDAÇOS DE PASSÁROS, de Andrei Miralha e Marcílio Costa.
FICÇÃO, 2015, ANANINDEUA – PA, 13 MIN
O pássaro como metáfora das relações do homem no mundo contemporâneo. Fragmentos e pedaços da vida cotidiana abordados poeticamente. | Melhor Direção de Arte e Desenho de Som.

 

 

BANHO DE CAVALO, de Michele Saraiva e Francis Madson.
FICÇÃO, 2016, PORTO VELHO, RO, 6 MIN
Micronarrativas poéticas sobre uma árvore (Castanheira), uma Amazônia, corpos e sujeitos como invenções de determinados pensamentos hiperbolizados da região. | Melhor Direção de Fotografia.

 

PARQUE PESADELO, de Aly Muritiba, Francisco Gusso e Pedro Giongo.
FICÇÃO, 2015, CURITIBA – PR, 14 MIN
As flores brancas nas costas do menino começaram a escurecer. Na guerra para salvar as lendas, Juru- pari está prestes a desaparecer. | Melhor Curta Infantil na Fase Estadual.

 

 

SOLON, de Clarissa Campolina. FICÇÃO, 2016, BELO HORIZONTE – MG, 16 MIN Uma fábula sobre o surgimento do mundo. Solon habita o espaço árido e infértil. Aos poucos, ela se destaca da paisagem, aprende a se movimentar e explorar seu corpo. Verte água por suas extremidades e inicia sua missão de regar e nutrir a terra. Nasce o mundo. Nasce a mulher. Destaque Direção de Arte na Fase Estadual.

PROGRAMA DE CURTAS INFANTIS

02, 09 e 16/12, às 14h30
DURAÇÃO TOTAL: 65 min – Classificação livre

O MELHOR SOM DO MUNDO, de Pedro P. de Andrade. 2015, SÃO PAULO – SP, 13 MIN Vinicius não coleciona figurinhas, nem carrinhos, nem gibis. Ele coleciona sons. Mas será possí- vel encontrar o melhor som do mundo? | Melhor Desenho de Som na Fase Estadual.

 

 

LIPE, O VOVÔ E O MOSTRO, de Felippe Steffens. 2016, PORTO ALEGRE-RS, 9MIN
Um menino vai passar o final de semana no sítio dos avós. Durante uma pescaria, ele conhece um segredo de seu avô, e acaba fazendo uma nova e inusitada amizade. Este filme foi realizado em conjunto com os alunos do 2o ano da escola municipal de ensino fundamental Vereador Antônio Giudice,emPortoAlegre. |MelhorDesenhodeSomnaFaseEstadual.

 

O MENINO DO DENTE DE OURO, de Rodrigo Sena. 2014, NATAL – RN, 15 MIN
Na ida para o colégio, Wesley acaba se envolvendo em uma trama perigosa e lucrativa. O limiar da inocência de uma criança e o despertar para a juventude. | Melhor Roteiro na Fase Estadual.

 

 

MEU TIO QUE ME DISSE, de Vanusa Ferlin. 2015, FLORIANÓPOLIS – SC, 10 MIN
Um menino vai passar o final de semana no sítio dos avós. Durante uma pescaria, ele conhece um segredo de seu avô, e acaba fazendo uma nova e inusitada amizade. Este filme foi realizado em conjunto com os alunos do 2o ano da escola municipal de ensino fundamental Vereador Antônio Giudice, em Porto Alegre. | Melhor Curta Infantil na Fase Estadual.

 

ASTROGILDO E A ASTRONAVE, de Edson Bastos. 2016, IPIAÚ – BA | 18 MIN
Astrogildo anuncia para jornalistas do mundo inteiro que o seu mais novo invento, uma Astronave que liga o homem a Deus, vai voar dentro de um dia.

TODOS OS FILMES DA MOSTRA ESTÃO COM ENTRADA FRANCA RETIRE SEU INGRESSO NA RECEPÇÃO DO SESC GLÓRIA.

Programação completa em: www.facebook.com.br/cinesescgloria
A programação está sujeita a alterações e cancelamentos

 

Evento Detalhes
  • Inicio em
    30 de novembro de 2017
  • Final em:
    13 de dezembro de 2017
  • Categorias