CineSesc Glória exibirá a 2ª Mostra Sesc de Cinema: Etapa Estadual a partir de sábado (29)

O CineSesc Glória exibirá de 29 de setembro a 03 de outubro, curtas e longas metragens durante a 2ª Mostra Sesc de Cinema: Etapa Estadual. O evento tem como propósito contribuir para o campo audiovisual sendo um espaço de lançamento e promoção de artistas locais. Durante os dias da programação, além de exibir as produções selecionadas pela curadoria da Mostra e premiadas, os espectadores poderão participar de um diálogo com os realizadores. Todas as sessões terão entrada franca. A retirada dos ingressos será na bilheteria do Centro Cultural Sesc Glória.

A abertura do evento, no dia 29, às 18h30, será em grande estilo e contará com cerimônia de premiação das produções nas categorias Direção, Roteiro, Direção de Fotografia, Desenho de Som, Direção de Arte, Direção de Elenco, Montagem, Maquiagem e Efeitos Especiais, seguida da exibição de seis produções, às 19 horas. A ocasião será uma chance para público conhecer os profissionais que se dedicam a terceira arte no Estado e o que está em produção em terras capixabas.

Uma novidade da mostra neste ano tem a ver com a premiação: Desenvolvido pelo artista plástico Júlio Tigre, criamos o troféu ‘Ludovico Persici – Apparelho Guarany’. Uma homenagem ao pioneiro, inventor e realizador audiovisual capixaba e à memória de seu invento, uma máquina capaz de filmar, projetar, copiar e medir o filme.

Nascido em 1899, na cidade de Alfredo Chaves, Ludovico – apesar de ser pouco conhecido pelos capixabas – é um dos pioneiros do cinema e responsável por grande parte da produção local da primeira metade do Sec. XX. Filho de um relojoeiro, de quem herdou a profissão, ele desenvolve seu ‘cinematógrafo’ – o Apparelho Guarany – a partir de latas manteiga e lentes que ele próprio construiu.

Com este troféu, propomos o resgate da memória deste pioneiro da produção audiovisual e inventor capixaba, o reencontro com as raízes do cinema produzido no Espírito Santo, assim como incentivar o desenvolvimento e a inventividade da produção audiovisual local.

A programação está organizada em grupos, sendo no dia 29 de setembro, a Sessão Território e Afeto; no dia 30 de setembro, a Sessão Memória e Presença; no dia 02 de outubro, a Sessão Identidades e (m) Movimento e no dia 03 de outubro, a Sessão Resistências e (m) Rede. Os temas de cada sessão são como fios que entrelaçam os filmes e a partir deles estão sendo propostos os debates com os realizadores.

Seleção

Em 2017, de agosto a outubro, os produtores inscreveram seus trabalhos – curtas e longas metragens, que, de 29 de setembro a 03 de outubro de 2018 serão exibidos na Mostra Sesc de Cinema – Etapa Estadual Espírito Santo.

Veja a programação da Mostra Sesc de Cinema:

29/09

18h30 Premiação nas categorias Direção, Roteiro, Direção de Fotografia, Desenho de Som, Direção de Arte, Direção de Elenco, Montagem, Maquiagem e Efeitos Especiais.

 

SESSÃO TERRITÓRIO E AFETO

19h

Ilhados, de Lucas Bonini e Wayner Tristão.

Ficção, Brasil, 15’, 2014, cor. Clas: Livre

Concluída em 1989, a terceira ponte é um marco da construção civil capixaba. Sob seu pilar central existe uma casa habitada por um pescador.

 

As aventuras de Chauá , de Alunos da Escola Municipal Santo Antônio do Norte e Rosaria

Ficção , Brasil, 4’, 2016, cor. Clas: Livre

O filme apresenta um alerta sobre a importância da preservação ambiental e do Papagaio Chauá, espécie nativa da Mata Atlântica, ameaçada de extinção.

 

A casa térrea, de Bernard Lessa.

Ficção , Brasil,23 min, 2017, cor. Clas: 12 anos.

À beira da casa e à beira do abismo, corre um rio de águas vivas.

 

ABISSAL, de Paulo Sena.

Ficção , Brasil, 14 min, 2017, cor. Clas: 14 anos.

Como numa pintura abstrata, uma mulher está represada entre o luto e o desejo.

 

Labor, de THIAGO MOULIN

Documentário, Brasil, 14’, 2017, cor. Clas: Livre

Dividido entre a paixão pela música e o trabalho à frente de uma fábrica familiar centenária, Fábio trabalha duro enquanto projeta seus sonhos numa espécie de mundo paralelo.

 

Território do desprazer, de Maíra Tristão e Mirela Marin

Documentário, Brasil, 17’, 2017, cor. Clas: 10 anos

História das memórias de quatro mulheres que viveram e trabalharam em São Sebastião, antiga região de meretrício da Grande Vitória (ES), entre as décadas de 1960 e 1980.

 

20h30 – Diálogo com os diretores

 

30/09 – SESSÃO MEMÓRIA E PRESENÇA

18h20

 

Divina Luz, de Ricardo Sá

Documentário, Brasil, 14’, 2017, P&B

Clas: 14 anos

O pensamento de luz del Fuego, a bailarina naturalista que balançou o Brasil na década de 1950.

 

Cartas para Eros, de Herbert Pablo Bastos

Documentário, Brasil, 29’, 2016, cor. Clas: 12 anos

Documentário de arquivo sobre performances de cabaret dos anos 90 em Vitória (ES). De caráter cineclubista esse filme ensaio é uma colagem cartográfica de sentimentos e memórias que se acumulam no processo de montagem do diretor ao descobrir as imagens-memórias dos acervos do antigo elenco da Boate Eros.

 

A Árvore de Humberto, de alunos do projeto animação, Instituto Marlin Azul.

Ficção, Brasil, 14 min, 2016, cor. Clas: Livre

O filme homenageia a vida de Humberto Mauro, um dos pioneiros do cinema nacional.

 

Espera, de Lucas Bonini.

Ficção , Brasil, 25’, 2017, cor. Clas: livre

Dona Clementina passa os dias angustiada, esperando por alguém. Uma trupe de circo errante cruza seu caminho, precipitando lembranças catárticas.

 

Ano Passado Eu Morri, de Rodrigo de Oliveira.

Ficção , Brasil, 25’, 2017, cor

Clas: 12 anos

À Rodrigo, o diretor deste filme, foram dados três meses de vida. Solitário diante da morte, o diretor procura por Eduardo, seu primeiro namorado. Mas Eduardo não responde. Rodrigo e o Brasil talvez não tenham sobrevivido a 2016.

 

20h – Diálogo com os realizadores.

 

02/10 – SESSÃO IDENTIDADES E(M) MOVIMENTO

18h20

 

Transvivo, de Tati W Franklin

Documentário, Brasil, 30’, 2017, cor

Clas: Livre

 

Transvivo é um documentário que acompanha as vivências de Izah e Murilo enquanto passam pelo processo de transição de gênero.

 

Lá não venta como venta aqui, de Melina Leal Galante

Documentário, Brasil, 15’, 2017, cor.

Clas: Livre

A Vila de Itapemirim tem ares de florescer, mas é pequena e carrega marcas de um passado e de um futuro que parecem nunca se concretizar.

 

A mesa no deserto, de Diego Scarparo

Ficção, Brasil,15 min, 2017, cor

Clas: 16 anos

No futuro, o mundo foi destruído por uma grande guerra e se tornou um imenso deserto radiativo; E o que restou da humanidade é o que temos hoje: ódio. Num mundo de alta tecnologia e pouca esperança de vida, o saqueador “Sargento”, num roubo mal-sucedido, passa a noite que mudará sua vida para sempre.

 

Este é o Seu Corpo, de Diego Scarparo

Ficção , Brasil, 7’, 2017, preto e branco.

Clas: Livre

Ficção, um faroeste moderno e brasileiro. Aliás, brasileiríssimo. Um acerto de contas numa capela no meio de um descampado, onde as verdades obscuras de cada um dos personagens eclodem de maneira rápida e cruel.

 

No caminho da escola, de Beatriz Lindenberg e alunos da rede municipal de Vitória

Ficção, Brasil, 9’, 2017, cor.

Clas: Livre

No caminho da escola, uma menina faz uma viagem alucinante por planetas imaginários e perde a primeira aula.

 

19h40 – Diálogo com os realizadores

 

03/10 – SESSÃO RESISTÊNCIAS E(M) REDE

18h20

 

Na quebrada, de José Augusto Muleta

Ficção, Brasil, 4’, 2017, cor.

Clas: Livre

O curta metragem “Na Quebrada” tem sua história baseada em dois jovens que saem pela comunidade em busca de um “produto típico” da região para oferecer ao turista que visita a cidade.

 

A FEBRE, de João Oliveira

Documentário, Brasil,27 min,2012,Cor

Clas: 12 anos.

Quanta informação cabe em uma cidade? Aspectos e vivências da manifestação do Graffiti no Espírito Santo na visão de seus protagonistas.

 

C(elas), de Gabriela Santos Alves.

Documentário, Brasil,18 min, 2017,cor.

Clas: 12 anos

Os meses finais da gravidez e os primeiros após o nascimento de um bebê são experiências únicas na vida de uma mulher. E quando esse cotidiano é vivido dentro de uma penitenciária?

 

Os segredos que cal esconde, de  Luana Cabral e Luciana GB

Documentário, Brasil, 13’, 2015, cor

Clas: Livre

Um projeto proposto por pesquisadores de uma Universidade alemã prevê a construção de escadas rolantes em alguns morros da cidade de Vitória. ** A project proposed by researchers from a German University plans to build escalators in some communities of Vitória’s town.

 

Os Segredos do Rio Grande, de Analúcia Godoi

Ficção, Brasil, 5’, 2017, cor.

Clas: Livre

Com suas águas cristalinas, o Rio Grande nos traz segredos, belezas e também benefícios. É preciso mantê-lo limpo, sem lixo, cuidar das nascentes e preservar as matas ciliares para que toda essa riqueza se mantenha por mais muitos anos. Esses são alguns dos temas abordados no filme, que mostra que a preservação do meio ambiente começa com pequenas atitudes.

 

Hic, de Alexander Buck

Ficção , Brasil, 14’46”, 2016, cor.

Clas: 14 anos

H I C, um filme sobre identidade e empoderamento negro do diretor e roteirista Alexander Buck. Com uma linguagem inovadora e criativa, característica dos filmes de Buck, HIC questiona comportamentos racistas arraigados na sociedade, transportando o espectador para uma cidade de Vitória que se torna o centro das atenções no mundo ao sediar o fenômeno Kebebe. Acometido por uma crise de soluços que faz um maratonista africano se teletransportar para diversos lugares, ele vivencia situações com as quais qualquer pessoa deveria se sentir incomodada. Assim, de forma intrigante, acompanhamos a saga do vitorioso atleta através de ruas, casas, avenidas, praias e incontáveis outros lugares da ilha de Vitória no estado do Espírito Santo, Brasil.

19h50 – Diálogo com os realizadores

 

Compartilhar